Resenha do Surf comenta - CT Surf Ranch

Mais uma etapa chega ao fim, e mais uma vez, vitória do Brasil! Estamos ficando mal acostumados, ainda bem! Já são 7 vitórias brasileiras em 8 etapas no ano, dessa vez com direito à dobradinha.

No Surf Ranch, nem a preferência dos juízes pelo “dono da casa” Kelly Slater, conseguiu estragar a festa brasileira! Dobradinha do primeiro e segundo colocados do ranking! Melhor para Gabriel Medina, que confirmou seu favoritismo na piscina, e superou o líder Filipe Toledo. Agora a diferença entre eles diminuiu para 4100 pontos!


Gabriel mostrou a que veio logo na primeira fase, quando terminou na primeira posição! Mostrou também que seu aéreo kerrupt está afiado, e o usou para aumentar suas notas. Suas esquerdas foram as melhores do evento disparado. Por sinal, a esquerda mostrou-se bem pior que a direita. Tanto que houveram várias ondas extras, devido à sua má formação. Medina mostrou seu lado competitivo aflorado nos momentos mais decisivos, e conhecimento das sessões da onda. Filipe inclusive poderia ter resultado melhor, caso tivesse dominado à esquerda, principalmente a sessão de tubo.

Destaco também o desempenho de Yago Dora, que ficou em nono lugar (pela segunda etapa consecutiva), e que ao meu ver, deveria estar entre os 8 finalistas. Destruiu as esquerdas, usando sua progressividade. A surpresa ficou com Miguel Pupo, que obteve a quinta posição geral, e fez excelentes ondas, principalmente na fase classificatória. Pegou tubos profundos e usou muito bem os aéreos! Tomas Hermes e Ítalo Ferreira mostraram bom surfe, e poderiam ter outro resultado. As notas da WSL (pra variar) não ajudaram com juízes polêmicos e com critérios duvidosos...


O restante dos brasileiros, não conseguiram a adaptação necessária à onda. Ian Gouveia, apesar de boas apresentações no primeiro dia de competição, não conseguiu extrapolar para a faixa de pontuação excelente, que é fundamental para o atleta alcançar as fases finais. Ian, Jessé Mendes, e Tomas Hermes precisam de resultados expressivos nas últimas etapas do ano.

O evento teve momentos de emoção, e momentos bem monótonos! Momentos engraçados, como Willian Cardoso vestindo a cabeça de panda, e Strider Wasilewski repórter da WSL, pegando onda! De uma forma geral, se o formato do evento conseguisse chegar perto ao tradicional, com baterias homem a homem, a emoção poderia ser maior. Infelizmente, ainda não é possível. A máquina precisa de descanso, os surfistas precisam de descanso por ser uma onda longa, mas quem sabe um dia...


Agora o circuito mundial vai à Europa, onde Medina reinou ano passado, e costuma reinar. Filipe Toledo precisará mostrar superação, característica que já mostrou esse ano, em que melhorou o que lhe faltava, a regularidade. Vai ser uma briga de gigantes brasileiros!


Ah, vale lembrar, TOP 5 do Ranking ainda com 3 brasileiros surfando em alto nível:

Ranking Wsl:

1 Filipe Toledo (BRA) – 49.785 pontos 2 Gabriel Medina (BRA) – 45.685 3 Julian Wilson (AUS) – 37.125 4 Italo Ferreira (BRA) – 31.825 5 Owen Wright (AUS) – 29.485 6 Jordy Smith (AFR) – 27.275 7 Wade Carmichael (AUS) – 26.970 8 Kolohe Andino (EUA) – 24.690 9 Kanoa Igarashi (JPN) – 24.530 10 Michel Bourez (PLF) – 24.370


- Ricardo Roldan - Resenha do Surf.

63 visualizações
Untitled

 Canal Surf Storm ©2020

  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon