top of page

Surfando em beach-breaks: Como saber quando o "fundo está bom"?

A maior parte das praias do Brasil são beach-breaks, ou seja, ondas que quebram sobre um banco de areia e você já deve ter ouvido a expressão, "ah, o fundo ta ruim/bom", mas você sabe o que isso significa, e porque "o fundo" é tão importante pro surf? Nessa matéria da coluna "Surf e Ciência", o oceanógrafo Douglas Nemes explica a influência do banco de areia na formação das ondas, e qual é o cenário ideal para formar os dias clássicos de surf

Sabe aqueles dias que a previsão de ondas parece estar com tudo alinhado para rolar um dia clássico? Tamanho, direção do swell, maré, vento perfeito pro pico... Ai você chega na praia e se decepciona, não é mesmo? Pois é, o grande "culpado" disso, são os fundos de areia, que mesmo com todas as "condições ideais", se não estiver da forma ideal, não vai existir aquela "vala perfeita" e o tão sonhado mar clássico.

Mas por que os beach breaks são tão inconstantes e os bancos acabam tendo toda essa influencia nas ondas? As praias arenosas são os ambientes mais dinâmicos do planeta, onde cada tipo de onda (altura, período e direção) que chega, movimenta os bancos de areia de um certo modo, gerando sempre uma nova condição de fundo. Não há dúvidas de que o surfista que consegue entender a dinâmica dos bancos de areia geralmente escolhe os melhores picos para ir surfar.