Swell infinito? Depois de semana com altas ondas no litoral, nova ondulação chega nesta quinta-feira

O outono segue com boas ondas e o último final de semana foi de swell com ótimas condições em vários picos do país. Confira alguns dos principais picos que quebraram, a previsão do swell gerado pelo ciclone Yakecan para os próximos dias e porque 2022 vem tendo tanto swell e ciclones

O último final de semana foi recheado no Sul e Sudeste do país. Dois ciclones formados no final da última semana geraram swells com predominância de Sul/Sudeste, bom período e vento favorável para a maioria das praias do nosso litoral, rendendo um final de semana de boas ondas no litoral brasileiro.


Confira a galeria do último swell em alguns dos principais picos do Sul e Sudeste do país:


Santa Catarina:


Em Santa Catarina as linhas perfeitas da Praia do Campeche registradas em imagens aéreas pelo @____gareth e @leonevesrj chamaram atenção. Outro pico registrado pelo @leonevesrj e que rendeu ondas pesadas foi Naufragados, com direito à esse tubão do Paulo Moura (quarta foto). As demais imagens foram na Praia do Cardoso e Laje de Jaguaruna, com Thiago Jacaré e os @jaguaboys. Fotos: @franciscosurfarol e @luisreis_photo.


São Paulo


Em São Paulo, o destaque foi para as bombas em Maresias com direito a altas imagens do @pedroabreu.foto e tubão do Rodrigo Koxa (última foto do @fabiolopes_fotografia)



Rio de Janeiro


Já o Rio de Janeiro recebeu swell e rendeu imagens de tudo quanto é lado. Começando pelo Arpoador, que não foi o maior, mas quebrou CLÁSSICO por vários dias seguidos com direito a registros de @luizblancofotografia e @maripinagel. Ainda na Zona Sul da cidade, o PipeLeme acordou fazendo jus ao apelido com Gabriel Sodré botando pra baixo no triângulo e Leopoldo Neto pegando u tubasso em fotos de @eu_daviborges e @maripinagel. Na Barra da Tijuca, destaque para @man_at_water dentro de um TUBASSO a la Indonésia registrado pelo Eduardo Barão e Felipe Cesarano em um tubo ´a la slab´no meio da Barra, com registro de @ready_2_fly_imagensaereas. E é claro, registros de Itacoatiara por @tonydandreafotografia com tubos de Willyam Santana, em sua primeira vez no Shock, e Felipe Cesarano, além do registro de @gleysonsilvafotos de Pedro Calado no meio da praia.



Mal deu tempo do neoprene secar e já temos outro grande swell chegando na nossa costa. O ciclone Yakecan vem dando o que falar e já provocou uma onda de frio e fortes ventos, principalmente no Sul do país. O ciclone, gerado bem próximo à costa, deve gerar ondas da direção primária de Sul/Sudoeste de até 10 pés em algumas praias e já agitam a cena do big surf nacional. Conversamos com o oceanógrafo Douglas Nemes, que falou um pouco sobre a ondulação da última semana e a que está por vir:

O swell que passou fizemos o monitoramento completo antes. Foi um ciclone com posicionamento, duração, intensidade e tamanho da pista de ventos ideal para dispersar ondas bem organizadas para a costa brasileira, por isso gerou tão boas condições de ondas em vários picos. Já o de hoje, está muito próximo da costa, ou seja, a área de geração está na costa. Isto forma o que nós surfistas chamamos de condição storm, ondas balanças e desorganizadas, a qual na maioria das praias deixará sem condição de surf. Isto é porque as ondas ainda estão dentro da área de geração, ainda ganhando energia dos ventos. Nestes casos, cabe procurar aquele secret que irá receber essas ondas de maneira mais regular e são mais protegidos.

Apesar da grande ondulação formada pelo ciclone Yakecan não ser caracterizada como um swell e provavelmente não chegar tão alinhada como o swell passado, Douglas deu uma boa notícia:

A boa notícia é que no final de semana vai ter onda, porém, são ondas de um outro ciclone que está próximo da Antártica (ciclone extratropical). Essas ondas irão chegar bem no fim de semana, junto com a alta pressão atmosférica (tempo bom e calmaria de ventos) que se estabelecerá sobre o sul e sudeste do Brasil.


25 visualizações